segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A graça

"A graça do Senhor Jesus seja com todos. Amém!" Apocalipse 22:21

A reflexão que encerra o livro de Meditações Diárias deste ano, do pr. William Johnsson, inspira-se no último versículo da Bíblia. A propósito o tema central das reflexões neste ano de 2012 era a graça de Deus.
O autor comenta:
" 'A graça seja convosco!' Que maneira cristã maravilhosa de se despedir! Trata-se de uma oração, do desejo de que o favor do amoroso Pai, confortante, mas também forte para habilitar e proteger, esteja sobre todos nós até que nos encontremos novamente. Por ser Jesus "cheio de graça", essa expressão é praticamente uma oração rogando que Ele esteja conosco."
Com essa oração também encerro o ano neste blog. Até a primeira meditação de 2013. Estejamos todos sob a  graça do Senhor Jesus!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Não sabemos do tempo

"Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo." Marcos 13:33

É bíblica a profecia de que este mundo passará e Cristo implantará um Reino eterno, após Sua segunda vinda. A Palavra de Deus promete um Reino de Paz, onde habitará a Justiça, e onde estaremos para sempre na companhia do Senhor.
Entretanto, não sabemos quando chegará esse Reino que todos esperamos com alegria.
Daí a advertência para que vigiemos e oremos para os mantermos preparados para a ocasião da volta de Jesus.

domingo, 16 de dezembro de 2012

O Menino e o profeta

"Porque os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante dos povos (...) "Lucas 2:30 e 31

Imaginem  que, nos dias de hoje, um pai e uma mãe levam seu bebê para ser dedicado numa igreja e, no final da cerimônia, na porta encontram um velhinho de longas barbas pedindo para segurar um instante a criancinha. Depois, ainda imaginando, pensem  no velhinho dizendo que o bebê será um iluminado que libertará o  mundo do reino do mal. E ainda imaginem que o profeta termina sua predição dizendo que o bebezinho será um iluminado mas que a mãe sofrerá por isso uma grande dor. Os pais ficariam surpresos, admirados, temerosos.
Tudo isso aconteceu com José e Maria ao levarem o bebê Jesus para a cerimônia de apresentação no templo judaico, como primogênito do casal, de acordo com uma antiga ordenança, levando ainda um par de pombinhos para oferecerem em sacrifício.
Simeão conhecia as profecias a respeito de Jesus e Deus lhe tinha dito, através do Espírito Santo, que não morreria sem antes ver o Cristo Senhor.
Para quase todos no templo, Jesus era apenas o filho primogênito de José e Maria. Mas Simeão viu naquela criança o Filho de Deus. e louvou a Deus por isso:
"Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glória do teu povo de Israel."
Depois falou ainda à mãe de Jesus, profetizando sobre o sacrifício de Cristo, que seria como uma espada traspassando a alma de Maria, mas que seria para a salvação de muitos.
José e Maria não entenderam aquelas palavras, mas nelas ficaram meditando por muito tempo.
Nos acontecimentos em nossa vida podemos nada ver, como os judeus presentes no templo não viram a Jesus, ou podemos ver apenas acaso, sorte ou falta dela. Mas, se olharmos sob a ótica da Revelação da Palavra, veremos a  proteção e guia da poderosa mão divina em nossa vida. 
O Deus triúno é criador e mantenedor do Universo e também de cada um de nós, seres humanos.
Cristo ainda está conosco hoje, para iluminar nossos passos.










sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Paz na terra

"Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem." Lucas 2:14

Assim os anjos saudaram o nascimento de Jesus, quando o anunciaram aos pastores.
Estes cuidavam de imensos rebanhos de ovelhas sob o céu de outono (realmente o nascimento de Jesus não foi no inverno do hemisfério norte, quando é comemorado). Admirados perceberam a presença de um ser luminoso, celestial, um anjo, mensageiro do Senhor, trazendo a notícia do presente do céu para todos.
As surpresas não terminaram aí - era uma noite de acontecimentos surpreendentes - porque apareceu em seguida uma multidão de anjos, não um exército, mas um coral celestial, um coral angelical, louvando a Deus e cantando.
O coral dava glória a Deus e desejava paz na terra aos homens. É isto que Deus quer: que vivamos unidos ao Céu e em paz com nossos irmãos.