sexta-feira, 30 de novembro de 2018

O cetro do Rei


"Judá vai segurar o cetro de rei, e os seus descendentes sempre governarão. As nações lhe trarão presentes, os povos lhe obedecerão. Ele amarra o seu jumentinho numa parreira, na melhor parreira que há. Ele lava as suas roupas no vinho, lava a sua capa no vinho cor de sangue." Gênesis 49:10 e 11
Nesta última semana de novembro, estamos refletindo, de acordo com nosso programa de leitura da Bíblia, nos capítulos finais de Gênesis.
Chegamos ao início da história do povo de Israel. Jacó, o pai das doze tribos, próximo à morte, está cercado por seus filhos e abençoa cada um deles.  Profere também uma bênção sobre os netos Efraim e Manassés, filhos de José, que havia sido vendido como escravo para o Egito e se tornara governador da terra, casado com uma egípcia. Os anos finais de Jacó, aliás, foram alegrados pelo reencontro com José que ele julgava estar morto.
Ressalto aqui a bênção profética sobre a tribo de Judá, nos versículos acima. Ali está a história do povo hebreu, que seria governada por reis originários da tribo de Judá, como Davi e Salomão. A essa tribo pertence também Jesus, o Salvador. 
Os versículos apontam também para o nascimento de Jesus, que será adorado como Rei por nobres orientais, embora os hebreus a sua volta assim não O reconheçam.
A foto acima mostra um coral natalino, louvando ao Rei Jesus pelo Natal, na rua Coberta, em Gramado, Rio Grande do Sul. Ali, turistas de todo o Brasil e do mundo se reúnem para celebrar o Natal.  Semelhantemente, as pessoas cantam louvores em todo o mundo nesta época, como oferendas ao Menino.
Mas os versículos mostram também a esperança da salvação, com a alusão profética sobre os dias finais de Jesus, que entrou em Jerusalém sobre um jumento e ali foi morto, confirmando a Palavra, que aponta para a morte sacrifical do Salvador. Por isso, as palavras de Jacó:"lava a sua capa no vinho cor de sangue".
O versículo ainda mostra Jesus como eterno Rei sobre os povos - "os povos lhe obedecerão". Que estejamos reunidos com a grande multidão de salvos que terá Jesus como Rei após a segunda vinda e na terra renovada, de acordo com as promessas bíblicas.




sábado, 17 de novembro de 2018

Auto sabotagem

"Eu castigo aqueles que me odeiam, até os seus bisnetos e trinetos. Porém sou bondoso com aqueles que me amam e obedecem aos meus mandamentos e abençoo os seus descendente por milhares de gerações." Êxodo 20: 5 e 6

Ouvi hoje uma palestra sobre auto sabotagem emocional. A palestrante mencionou que muitas vezes as pessoas, sem explicação lógica, tomam atitudes que prejudicam a vida e não conseguem interromper essa forma de comportamento. 
Ao interrogar a pessoa sobre sua conduta, ela costuma mencionar que seu pai ou sua mãe agiram assim. E, muitas vezes, ao interrogar os pais da primeira pessoa, a resposta é no sentido de que os avós também agiram assim.
Neste sentido se aplica o versículo acima:a consequência dos erros atinge os descendentes, no sentido de que seguem a influência dos ancestrais.
Então não haveria um fim nesse ciclo? Sim, há. Seguindo a leitura, podemos sentir a graça de Deus quando promete abençoar aqueles que O amam e se aproximam do Senhor. E aqui a bênção se estende por milhares de gerações.
Isso significa que a bênção é infinitamente maior que a maldição.
Andemos no caminho do Senhor e colhamos as infinitas bênçãos. A promessa é verdadeira para nós e nossas famílias.

 

sábado, 3 de novembro de 2018

A vinha e seu fruto



"Quem planta a vinha e não come do seu fruto?" I Coríntios 9:7

Este versículo, lido no início do sermão de hoje, lembra, no seu contexto, o semear e colher a Palavra. O orador, entretanto, inicialmente, generalizou o sentido e se referiu à colheita das ações da vida. 
Algumas vezes, durante uma viagem, vejo uma plantação, ou de algodão, ou de sorgo, ou mesmo de coloridos girassóis. Caso não consiga fotografar esse campo no trajeto de ida, combino com meu marido, que fica à direção do carro, que na volta estacionaremos num local próprio para fotografar aquela plantação, geralmente próxima à ceifa. Já ocorreu de registrar algumas fotografias de um campo próximo à colheita e já ocorreu uma vez de ter sido já colhida a plantação na volta do passeio.
No penúltimo mês do ano lembramos inevitavelmente do que fizemos, ou plantamos, no ano que passou. A colheita pode não ocorrer durante o ano mas  nos próximos anos nossos e de quem passou por nós. 
É bom refletir nos nossos atos e nas consequências que terão para nós, para nossos familiares, para as pessoas com quem convivemos ou que atendemos em nossas atividades profissionais.  A colheita de todos os atos semeados é certa. É bom poder imaginar uma colheita promissora e melhor ainda poder apreciá-la.
Que as sementes que lançamos se tornem fruto maduro e agradável na colheita!